Seguidoras

"... E o enchi com o meu Espírito. Eu lhe dei inteligência, competência e habilidade para fazer todo tipo de trabalho artístico; para fazer desenhos e trabalhar em ouro, prata e bronze; lapidar e montar pedras preciosas; para entalhar madeira; e para fazer todo tipo de artesanato." Ex 31.3-5

terça-feira, abril 30


A Bailarina - Cecília Meireles

3


Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
mas inclina o corpo para cá e para lá.

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.

quinta-feira, abril 18


Monteiro Lobato - Homenagem especial.

11


OLÁ QUERIDAS AMIGAS!

NESTA DATA ESPECIAL VENHO MOSTRAR  OS TRABALHOS DOS MEUS QUERIDOS ALUNOS DO SÉTIMO ANO. ESTAMOS TRABALHANDO HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E RESOLVEMOS FAZER UMA HOMENAGEM AO GRANDE AUTOR MONTEIRO LOBATO E A TURMINHA DO SÍTIO DO PICAPAU AMARELO.










Monteiro Lobato
~~~~~~~~~~~~~~~~
José Bento Renato Monteiro Lobato (Taubaté, 18 de abril de 1882 – São Paulo, 4 de julho de 1948) foi um dos mais influentes escritores brasileiros do século XX. Foi um importante editor de livros inéditos e autor de importantes traduções. Seguido a seu precursor Figueiredo Pimentel ("Contos da Carochinha") da literatura infantil brasileira, ficou popularmente conhecido pelo conjunto educativo, bem como divertido, de sua obra de livros infantis, que constitui aproximadamente a metade da sua produção literária. A outra metade, consistindo de inúmeros e deliciosos contos (geralmente sobre temas brasileiros), artigos, críticas, crônicas, prefácios, cartas, um livro sobre a importância do petróleo e do ferro e um único romance.

Monteiro Lobato consegue retratar o meio rural brasileiro através do Sítio do Picapau Amarelo, que tem como principais personagens Emília, Narizinho, Visconde de Sabugosa, Dona Benta, Tia Nastácia e Pedrinho.

Coleção Sítio do Picapau Amarelo:
1921 - O Saci
1922 - Fábulas
1927 - As aventuras de Hans Staden
1930 - Peter Pan
1931 - Reinações de Narizinho
1932 - Viagem ao céu
1933 - Caçadas de Pedrinho
1933 - História do mundo para as crianças
1934 - Emília no país da gramática
1935 - Aritmética da Emília
1935 - Geografia de Dona Benta
1935 - História das invenções
1936 - Dom Quixote das crianças
1936 - Memórias da Emília
1937 - Serões de Dona Benta
1937 - O poço do Visconde
1937 - Histórias de Tia Nastácia
1939 - O Picapau Amarelo
1939 - O minotauro
1941 - A reforma da natureza
1942 - A chave do tamanho
1944 - Os doze trabalhos de Hércules (dois volumes)
1947 - Histórias diversas 



segunda-feira, abril 15


FLORES DE CROCHÊ

7


Faça lindas flores de crochê!

Visite a Solidarium: http://bit.ly/YnCQlr

Novidade chegando especialmente para vocês!

2



Blogueiras Unidas e Blogueiros Unidos!!!

Novidade Sensacional!!!

Não percam!

Com muito carinho especialmente para vocês inscritos em nossa parceria!!

Contamos com sua participação!!

domingo, abril 14


FLORES DE PAPEL - Faça flores usando rolinhos de papel higiênico!

1


Faça flores usando rolinhos de papel higiênico!

Visite a Solidarium: http://bit.ly/YnCQlr

sábado, abril 13


FLORES DE PAPEL

0

Aprenda a fazer lindas flores de papel

 para enfeitar caixinhas!

Passa na Solidarium: http://bit.ly/YnCQlr

O Artesão das Imagens e Palavras. Bruno Leandro

1
OLÁ QUERIDAS AMIGAS!

EM MINHAS PESQUISAS ENCONTREI ESTE LINDO TEXTO E CONVIDO A TODAS PARA FAZEREM UMA VISITA AO BLOG DO BRUNO LEANDRO!

ESPERO QUE APRECIEM O TEXTO E VISITEM ESTE GRANDE ARTESÃO DE IMAGENS E PALAVRAS!

LEMBRE!
GENTILEZA, GERA GENTILEZA!



 O Artesão das Imagens e Palavras. 
Bruno Leandro


Não me tornei o Artesão das Imagens e Palavras à toa. Eu o fiz porque tinha um sonho. E um dom. Eu o fiz porque tive quem acreditasse em meu sonho. E em meu dom.

Nasci e passei grande parte de minha infância na cidade de Leandor, governada pelo prefeito Gandar, um dos homens mais inteligentes e gentis que qualquer pessoa na face da terra poderia conhecer. Gandar sempre fora um homem que amava a tudo e a todos e que era amado por tudo e por todos. Também era um homem que sabia reconhecer a grandeza, por ser ele próprio destinado a ela.

Não usarei de falsa modéstia ao falar de meus dons, pois isso seria desmerecê-los. O que posso dizer é que sou capaz de costurar a tinta ao papel de tal forma, que posso criar mundos inteiros a partir de minha própria imaginação. Meus mundos ganham vida própria e meus personagens parecem querer fugir de sua limitada prisão de duas dimensões. Sempre tive tal habilidade e graças a Gandar pude desenvolvê-la. Graças a nosso prefeito, que viu em mim não um órfão que precisava de ajuda, mas um artista, um artesão.
Ao observar minhas palavras, que descreviam coisas impossíveis como se fossem corriqueiras, ao ver minhas imagens, que criavam uma realidade própria, Gandar se deu conta do que eu poderia fazer e, assim, me enviou para estudar as técnicas de artes dos Nove Reinos. A partir daí, estudei e conheci pessoas incríveis, tive magníficos mestres e me tornei um especialista em minha arte.

Estudei as técnicas de criação de dragões de esmeralda com os monges de Saifin. Mergulhei com golfinhos do Pérsico em Goltran. Os aviadores de Larcar me mostraram seus céus. As damas do fogo me ensinaram as suas artes sagradas de purificação na bacia de Argelam. Taiqueras de Aguarrás, o mestre silencioso, me explicou sua habilidade de comunicação com sinais e percebi que as palavras têm muitas formas. Os eremitas de Xzion me ensinaram a respeitar as vida e a natureza e seus druidas me mostraram as verdadeiras cores das plantas e animais. As amazonas da Terra Escondida me mostraram segredos ocultos a que poucos seres do sexo masculino foram expostos. Os guerreiros de Amarante me ensinaram canções que apenas os puros de coração e de vontade inquebrantável são capazes de reproduzir. E os mestres de metal de Nânia me revelaram misturas incríveis que apenas os alquimistas de sua terra sabiam desenvolver.

Sei que tais lições pareceram incomuns e que, aos olhos de outros, eu deveria ter estudado sobre artes de escrita e pintura, mas nisso os mestres de Leandor eram tão ou mais competentes do que quaisquer outros. E, sim, tive tal educação formal. Mas Gandar percebeu que meus dons não eram apenas voltados para as coisas comuns e que eu precisaria de mais. Por isso, graças a ele, conheci uma parte significativa do mundo e por isso o serei grato eternamente. Minhas palavras se encheram de uma verdade que faz crer aos descrentes e minhas imagens reproduzem anjos e deuses em boa parte de sua glória. Não se enganem, porém. Apesar de minhas palavras, não sou um fanático religioso e minha arte é livre para representar o que for de minha vontade. É por isso que sou o Artesão de Imagens e Palavras, por que vivo pela e para a arte e porque respiro a própria arte.


Este é o texto do perfil do Bruno Leandro: 

Um escritor amador, começando ainda nesta arte. Um apaixonado por mitologias e contos de fada, com vontade - e muita - de escrever livros com essas temáticas. Sou um ser vindo de um universo à parte, que caiu em um mundo diverso e precisa reaprender a viver fora de seu mundo de fantasia. Sou um navegante das palavras e sou um artesão de imagens. Sou um ser de outra dimensão que pretende encantar a todos com minhas letras. Contista, escritor, desenhista, estudante e alguém que há muito tempo se perdeu no mundo da imaginação e não pretende voltar de lá.




segunda-feira, abril 8


PALAVRAS - (Adriana Falcão)

2


PALAVRAS

As gramáticas classificam as palavras em substantivo, adjetivo, verbo, advérbio, conjunção, pronome, numeral, artigo e preposição.
Os poetas classificam as palavras pela alma porque gostam de brincar com elas e pra brincar com elas é preciso ter intimidade primeiro.
É a alma da palavra que define, explica, ofende ou elogia, se coloca entre o significante e o significado pra dizer o que quer dar sentimento às coisas, fazer sentido.
Nada é mais fúnebre que a palavra fúnebre.
Nada é mais amarelo do que o amarelo-palavra.
Nada é mais concreto do que as letras c.o.n.c.r.e.t.o, dispostas nessa ordem e ditas dessa forma, assim, concreto, e já se disse tudo, pois as palavras agem, sentem e falam por elas próprias.
A palavra nuvem, chove.
A palavra triste, chora.
A palavra sono, dorme.
A palavra tempo, passa.
A palavra fogo, queima.
A palavra faca, corta.
A palavra carro, corre.
A palavra palavra, diz o que quer. E nunca desdiz depois.
As palavras têm corpo e alma, mas são diferentes das pessoas em vários pontos. As palavras dizem o que querem, está dito, e ponto.
As palavras são sinceras, as segundas intenções são sempre das pessoas.
A palavra juro não mente.
A palavra mando não rouba.
A palavra cor não destoa.
A palavra sou não vira casaca.
A palavra liberdade não se prende.
A palavra amor não se acaba.
A palavra ideia não muda. Palavras nunca mudam de ideia.
Palavras sempre sabem o que querem.
Quero não será desisto.
Sim nunca jamais será não.
Árvore não será madeira.
Lagarta não será borboleta.
Felicidade não será traição.
Tesão nunca será amizade.
Sexta-feira não vira Sábado nem depois da meia-noite.
Noite nunca vai ser manhã.
Um não serão dois em tempo algum.
Dois não serão solidão.
Dor não será constantemente.
Semente nunca será flor.
As palavras também tem raízes, mas não se parecem com plantas, a não ser algumas delas: verde, caule, folha, gota.
As células das palavras são as letras. Algumas são mais importantes que outras.
As consoantes são um tanto insolentes. Roubam as vogais pra construírem sílabas e obrigam a língua a dançar dentro da boca. A boca abre ou fecha quando a vogal manda.
As palavras fechadas nem sempre são mais tímidas. A palavra sem-vergonha está aí de prova.
Prova é uma palavra difícil.
Porta é uma palavra que fecha.
Janela é uma palavra que abre.
Entreaberto é uma palavra que vaza.
Vigésimo é uma palavra bem alta.
Carinho é uma palavra que falta.
Miséria é uma palavra que sobra.
A palavra óculos é séria.
Cambalhota é uma palavra engraçada.
A palavra lágrima é triste.
A palavra catástrofe é trágica.
A palavra súbito é rápida.
Demoradamente é uma palavra lenta.
Espelho é uma palavra prata.
Ótimo é uma palavra ótima.
Queijo é uma palavra rato.
Rato é uma palavra rua.
Existem palavras frias como mármore.
Existem palavras quentes como sangue.
Existem palavras mangue, caranguejo.
Existem palavras lusas, Alentejo.
Existem palavras itálicas, ciao.
Existem palavras grandes, anticonstitucional.
Existem palavras pequenas: microscópio, minúsculo, molécula, partícula, quinhão, grão, covardia.
Existem palavras dia: feijoada, praia, boné, guarda-sol.
Existem palavras bonitas: madrugada.
Existem palavras complicadas: enigma, trigonometria, adolescente, casal.
Existem palavras mágicas: shazam, abracadabra, pirlimpimpim, sim e não.
Existem palavras que dispensam imagens: nunca, vazio, nada, escuridão.
Existem palavras sozinhas: eu, um, apenas, sertão.
Existem palavras plurais: mais, muito, coletivo, milhão.
Existem palavras que são palavrão.
Existem palavras pesadas: chumbo, elefante, tonelada.
Existem palavras doces: goiabada, marshmallow, quindim, bombom.
Existem palavras que andam: automóvel.
Existem palavras imóveis: montanha.
Existem palavras cariocas: Corcovado.
Existem palavras completas: elas todas.



Toda a palavra tem a cara do seu significado. A palavra pela palavra, tirando o seu significado fica estranha. Palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra, palavra não diz nada, é só letra e som.

(Adriana Falcão) 


Obrigado por sua visita! Você já esteve aqui

"GALERIA DAS AMIGAS" Equipe:Siglea,Ivone,Graça,Claudiane e Renatha.







Senhor! Tu que és o maior dos artistas, fonte das mais belas inspirações, abençoa o meu talento e as minhas obras.Maravilhoso é o dom que me deste na louvada missão de servir-te com alegria, e de exercer o meu trabalho com amor e dedicação.Por isso, agradeço-te por permaneceres sempre comigo.Mesmo incompreendido ou diante de desafios, quero sustentar em minha vocação a energia de vencer e realizar meus projetos no imenso cenário da vida.Dá-me equilibrio entre a razão e a emoção, humildade e sabedoria para me aperfeiçoar.Inspira-me, ó Mestre, à criação do novo e do belo.Protege, também, todos os artistas em suas carreiras e gêneros.Faze com que minhas obras contribuam para a construção de teu Reino e que eu prospere, seguindo teus designios, pelos caminhos gloriosos da arte.Amém!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visitantes Recentes

Lembre de seguir!

Corrente do Bem - Participe!